2010

Política 
A CARTA FALSA 
O ex-governador Almir Gabriel produziu mais um dos documentos falsos dos quais a história brasileira tem sido pródiga. Aparentando dizer adeus à política, tenta criar a imagem de santo guerreiro contra o dragão da maldade. Imagem forte, mas falsa. Não há santo na política do Pará. 
Nº 456 • JANEIRO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Política 
TUDO NO LEILÃO 
Como das vezes anteriores, tudo indica que a eleição deste ano será disputada em dois pólos: pelos que exercem o poder agora e pelos que o exerceram ontem. Uma “terceira via”, como a anunciada pelo ex-governador Almir Gabriel, não passa de fantasia. Ou fraude. 
Nº 457 • JANEIRO DE 2010 • 2ª QUINZENA 

IDESP 
QUAL FUTURO? 
Menos de dois anos depois de ter sido recriado, o Idesp atravessa nova crise, comparável à que levou à sua extinção súbita e violenta, em 1999. Os petistas podem repetir o erro dos tucanos, que antes condenavam: submeter a pesquisa à política, sufocando a verdade. 
Nº 458 • FEVEREIRO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Política 
O VALE-TUDO 
O eleitor é cego em tiroteio na pré-temporada eleitoral: não vê nada, não sabe de nada, mas pode levar chumbo quente quando as negociações de bastidores forem finalizadas e as candidaturas forem oficializadas. Talvez com surpresas. 
Nº 459 • FEVEREIRO DE 2010 • 2ª QUINZENA

Eleição 
TIRO PELA CULATRA 
Manobras desastrosas ameaçam a reeleição da governadora Ana Júlia Carepa. Candidata quase certa a passar para o 2º turno, em outubro, ela pode enfrentar uma coligação mais forte na nova eleição e perder para uma aliança surpreendente, liderada por Jader Barbalho. 
Nº 460 • MARÇO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Eleição 
SEM POVO 
A boataria segue desenfreada sobre as articulações para as próximas eleições. Há de tudo no cardápio. Menos o atendimento dos verdadeiros interesses públicos. Povo? Só para votar. 
Nº 461 • MARÇO DE 2010 • 2ª QUINZENA

PT/PMDB 
ALIANÇAS AO VENTO 
O presidente Lula foi o mais lembrado e o maior ausente na solenidade realizada no mês passado, em Marabá, para o início da implantação da siderúrgica da Vale, que devia render tantos dividendos ao PT. A razão estava em outra ausência: a de Jader Barbalho. 
Nº 462 • ABRIL DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Eleição 
HAVERÁ SURPRESA? 
O jogo eleitoral deste ano está mais embaralhado e complicado do que nunca. Ninguém possui força suficiente para se apresentar como favorito. Por isso, as alianças se tornaram decisivas, impondo aos atores papéis que lhes são indigestos. Só está faltando um detalhe nessas estratégias: acertar com o povo. 
Nº 463 • ABRIL DE 2010 • 2ª QUINZENA

Indústria 
DESNACIONALIZAÇÃO A FRIO 
A Albrás e a Alunorte, das maiores indústrias de alumínio e alumina do mundo, são nipo-norueguesas desde o mês passado, quando foram transferidas pela Vale para a Norsk Hydro. O negócio foi de quase US$ 5 bilhões, mas ninguém parece ter-lhe dado importância. Importância que é fundamental. 
Nº 464 • MAIO DE 2010 • 1ª QUINZENA

Eleição 
QUEM DÁ MAIS? 
Jader Barbalho mais uma vez surpreende às vésperas da oficialização das candidaturas majoritárias à eleição de outubro. O lançamento de Domingos Juvenil pode não ser a repetição do esquema anterior dos “laranjas”. Pode ser o rompimento definitivo com o PT. O que não melhora em nada a triste perspectiva para o Pará. 
Nº 465 • MAIO DE 2010 • 2ª QUINZENA 

ESPECIAL/PERSONAGENS 
Resolvi criar uma edição especial deste jornal, dedicada a personagens, em torno dos quais várias questões – do Brasil, da Amazônia e do jornalismo – podem ser tratadas. Personagens marcantes ou polêmicos, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o violonista paraense Sebastião Tapajós, os jornalistas paulistas José Ramos Tinhorão e Luiz Salgado Ribeiro. 
Nº 466 • JUNHO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Eleição 
STRIP-TEASE MORAL 
Nem o mais cínico dos visionários poderia prever o que acontece no Pará como preparação para a eleição de outubro. Biografias, princípios e pudor foram deixados de lado na volúpia pelo poder. Os candidatos só pensam em si. E o eleitor: aceitará essa esbórnia? 
Nº 467 • JUNHO DE 2010 • 2ª QUINZENA

Eleição 
EM QUEM VOTAR 
Quando chegar à urna eletrônica, o eleitor poderá escolher um candidato com identidade, proposta e currículo honorável? Ou os nomes foram nivelados por baixo e estabeleceram seus acordos visando, acima de tudo, o interesse pessoal? Está difícil o voto consciente. 
Nº 468 • JULHO DE 2010 • 1ª QUINZENA

Eleição 
OPERAÇÃO SALVAMENTO 
O PT está apostando tudo para tentar a reeleição da governadora Ana Júlia Carepa. O problema principal é o índice de rejeição, o mais alto que um governante já enfrentou no Pará. Por isso, os petistas assumem os riscos da situação. 
Nº 469 • JULHO DE 2010 • 2ª QUINZENA 

Eleição 
ACORDO PROMÍSCUO 
A governadora e o prefeito fizeram uma transação em particular para defender a verdade e o interesse coletivo, ou foi mais uma iniciativa eleitoral, visando seus interesses políticos? É o que está por trás da devolução de ICMS à prefeitura de Belém. Vai feder? 
Nº 470 • AGOSTO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Lula 
O BOM DITADOR 
Lula merece fazer sua sucessora Dilma Roussef. O brasileiro está satisfeito com o seu governo. Mas o resultado que se anunciará será bom para o país? É o Brasil verdadeiro que sairá ganhando desta eleição? Ou o futuro é ameaçador? 
Nº 471 • AGOSTO DE 2010 • 2ª QUINZENA

Eleição 
DE VOLTA AO ANTES 
A pesquisa eleitoral e as evidências cotidianas indicam que Simão Jatene é o favorito para o dia 3 de outubro. A maior façanha dos petistas, colocados no governo em 2006 para pôr fim ao reinado petista, foi trazê-los de volta. Graças ao péssimo governo de Ana Júlia Carepa 
Nº 472 • SETEMBRO DE 2010 • 1ª QUINZENA

Eleição 
VITÓRIA DE LULA 
“Nunca antes” um presidente da república teve presença maior na campanha eleitoral do que seu candidato. Lula se comportou como cabo eleitoral para fortalecer Dilma Rosseff, que, sem ele, seria um poste eleitoral. Se ganhar, ela governará? 
Nº 473 • SETEMBRO 2010 • 2ª QUINZENA 

Eleição 
SEM NOVOS LÍDERES 
O Pará continuará a ser um deserto de lideranças, mesmo com o surgimento de novas caras depois da eleição de 3 de outubro. Quem podia mudar esse panorama não se apresenta à disputa. E quem vence acaba abandonando os compromissos de antes. 
Nº 474 • OUTUBRO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Política 
QUEM FICA NO PODER 
A história da eleição de 2010 no Pará ainda não terminou. Ela depende ainda da resolução do impasse jurídico em torno do Senado. A justiça sacramentará o afastamento de Jader Barbalho da vida política ou possibilitará o seu renascimento das cinzas? 
Nº 475 • OUTUBRO DE 2010 • 2ª QUINZENA

Eleição 
A DERROTA ANUNCIADA 
Os marqueteiros, com seus egos inflados, duelam entre si atrás de culpados pela derrota de Ana Júlia Carepa. Mas se há um responsável pelo resultado desastroso da eleição para o PT no Pará é a própria governadora. Ela encerra um ciclo que nem começou. 
Nº 476 • NOVEMBRO DE 2010 • 1ª QUINZENA

Política 
O GOLPE DE JADER 
O ex-governador surpreendeu a opinião pública ao apresentar sua renúncia ao mandato de deputado federal, na semana passada. É o canto de cisne do político que chega ao fim ou o início da sua ressurreição? 
Nº 477 • NOVEMBRO DE 2010 • 2ª QUINZENA

Justiça 
QUANDO A LEI FEDE 
Uma juíza do Pará obrigou o Conselho Nacional de Justiça a avançar sobre sua competência e pela primeira vez interferir numa decisão judicial. O caso era muito grave e exigia providência enérgica e imediata. Podia resultar num rombo de R$ 2,3 bilhões ao Banco do Brasil. 
Nº 478 • DEZEMBRO DE 2010 • 1ª QUINZENA 

Governador 
O FATOR JATENE 
Em 2002 Simão Jatene era um traço nas pesquisas eleitorais. O uso da máquina pública o tornou governador. Agora, quatro anos depois do fim do mandato, ele está de volta. Com uma perspectiva inédita: ser governador pela terceira vez através do voto. Um grande desafio. 
Nº 479 • DEZEMBRO DE 2010 • 2ª QUINZENA
Postar um comentário